Logo



Polaroids


















Menu

Precisamos reconhecer os erros dos nossos ídolos

Quando peguei a caneta para escrever este texto (sim, a maioria deles escrevo antes no papel), tinha a ideia de falar sobre a polêmica que rolou recentemente entre Cellbit e Rezende. Mas não é novidade para ninguém (ou é?) que sou fã do trabalho do Cellbit e achei que, por mais imparcial que tentasse ser, minha opinião seria tendenciosa.

Daí eu acabei me lembrando do Justin Bieber e da mais recente das muitas polêmicas envolvendo o cantor: ele chutou o presente que uma fã jogou no palco, chamou o lance de "merda" e depois se desculpou usando um tom meio irônico.

Antes que algumas beliebers me ataquem, quero deixar claro que estamos do mesmo lado. Eu sou muito, muito fã! Não do Justin, é verdade, mas de vários outros artistas. Ou seja, posso opinar sobre o assunto porque estou dentro do rolê dos fandoms, e não assistindo de fora e querendo dar uma de problematizadora-caçadora-de-cliques-e-curtidas.

O fato é que precisamos reconhecer os erros dos nossos ídolos. Estou cansada de ver fã tentando justificar a mancada do artista favorito, como se ele fosse uma espécie de deus livre de defeitos, quando seria muito mais fácil e bonito admitir a cagada. A coisa mais incrível de ser fã de outra pessoa de carne, osso e sentimentos como você é tratá-la como um igual (independente da conta bancária! Rs), que tem altos e baixos, fases e escolhas. Ela bebe, fuma charuto, cigarro, maconha, surta, fica triste, feliz, casa, separa, namora, dá só uns pegas, faz xixi, cocô, vomita, fica doente, dorme, não dorme e, assim como todos nós, erra.

Alguns erram mais, outros menos, mas independentemente dos erros, nós sabemos que nossos ídolos acertam. Ah, e como acertam! Nós valorizamos esses acertos, endeusamos eles, os colocamos em um pedestal e... Nos esquecemos. Agora, os erros, não. Os erros a gente remói, joga na cara, nunca esquece, não aceita nem reconhece. Errado.

O ídolo foi escroto com um fã? Reconhece. Ele defecou pela boca? Reconhece. Ele fez algo que você julga errado? Aceita. Ele foi cuzão? Reconhece e NÃO aceita. Porque não aceitar não significa que você vai deixar de ser fã ou de gostar. Não apoiar o ídolo em alguns momentos não diminui a sua credibilidade dentro do fandom. É preciso separar o pessoal do artístico; e mesmo se o artístico começar a encrencar, é preciso admitir isso, pois admitir o erro não é trair o movimento.

Ame seu ídolo. Ame-o até nas situações mais duvidosas. Mas reconheça que ele errou e não o defenda. Seja aquela amiga que te dá um puxão de orelha e te acorda para a vida, não aquela que passa a mão na sua cabeça e te encoberta.

Todo mundo erra e algumas pessoas tratam os erros dos ídolos como verdadeiros pecados, como coisas incapazes de acontecer. Essas são aquelas mesmas pessoas que tentam justificar, argumentar, que chegam até a atacar outras pessoas quem têm uma opinião diferente, que não querem ver, que estão cegas. Bonito mesmo é admitir as cagadas dos ídolos e falar: "Pô, que merda! Essa não tem como defender, mas apesar de tudo, apesar de não concordar com isso, eu vou continuar aqui, acompanhando seu trabalho, comprando ingressos, usando camisetas, porque isso me faz bem. Mas eu sei que o que você fez não foi certo."

Isso é ser fã. E isso é BOM DEMAIS! Vlw, flw. 


2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com cada palavra sua. Sou fã do John e leio tanto pela internet que ele não é simpático e que recusa fotos com fãs independente de onde esteja, enfim, não acho uma atitude correta para alguém que trabalha no meio artístico, mas amo o trabalho dele e nada muda este fato.
    Beijos, www.doceconceito.com

    ResponderExcluir