Logo



Polaroids


















Menu

Diário de Viagem: Ano Novo na Praia do Rosa

Oláááá, 2016! Voltamos, literalmente. Voltamos com o blog e voltamos de uma viagem incrível! Passei o Réveillon na Praia do Rosa, em Imbituba, Santa Catarina. Fazia algum tempo que sonhava em conhecer esse lugar. Depois de alguns dias convencendo a minha mãe de que esse seria uma viagem bacana (ela estava com medo de que fosse muito afastado, sem civilização. Haha), dei início aos primeiros preparativos.
Mas você deve estar se perguntando: "Isa, mas por que Praia do Rosa?". E mesmo que essa pergunta nem tenha se passado pela sua cabeça, eu respondo: Rosa Norte. Mas não a praia, a música. Sou muito fã do cantor Armandinho e suas canções fazem parte da trilha sonora da minha vida desde a época em que eu sofria por amor escutando Ursinho de Dormir ou pulava para a música seguinte quando Folha de Bananeira começava a tocar no DVD. Quem nunca?

O hit Rosa Norte sempre foi um dos meus favoritos. "Lá no céu daquele morro, eu fiz meu barraquinho, onde eu fico em frente ao fogo, bebendo aquele vinho. Vendo a Lua lá do morro, eu vou dormir cedinho, pra acordar no Rosa Norte e surfar sozinho". Tem como não se apaixonar? O Armando, então, foi um dos principais motivos para eu escolher a Praia do Rosa como meu destino de Ano Novo.

Eu queria sossego. Queria escutar o barulho do mar, ouvir um reggae... Mas, basicamente, passei meus últimos dias de 2015 ouvindo Wesley Safadão e Baile de Favela. HAHAHAHAHA. Eu sei. Expectativa X Realidade, né? O Réveillon no Rosa é beeem agitado. Essa é a primeira coisa que você precisa saber. Amo muito viajar com a minha mãe, mas se você está procurando um rolê animado para fazer com os amigos, a PDR no final do ano é o seu lugar! O centrinho, cheio de lojas e restaurantes e baladinhas, fica lotado. Para completar, o pessoal do meu hotel curtia uma farrinha e achava que dormir era para os fracos. Sdds, sono.
HOSPEDAGEM
Por falar em hotel... Escolhi o Hotel Praia do Rosa para me hospedar. Cheguei no dia 27/12 e fui embora no dia 04/01. Ele era um dos mais em conta, tinha piscina, jacuzzi, ficava próximo do Centrinho e da trilha que dava na praia e tinha banheiro privativo em todos os quartos. Gostei bastante! Demorava menos de cinco minutos para chegar às ruas do Centro e uns 20 minutinhos para chegar ao Rosa. Preferi a trilha do Rosa Norte, que apesar de ser no meio do mato, literalmente, era mais rápida. Achei a trilha do Rosa Sul mais distante e menos bonita.

ROSA NORTE OU ROSA SUL?
Mas e aí, será que o Armandinho estava mesmo certo ou me enganou todo esse tempo? Há! Não, o Antônio Armando arrasou na ~indireta~. A Praia do Rosa é um looongo costão de areia. À direita, virado para o mar, temos o Rosa Sul, uma praia mais família e com alguns restaurantes. À esquerda, temos o Rosa Norte, que é mais badalado, com barraquinhas de comidas e bebidas, escolas de surf e, é claro, surfistas. Os dois cantos são lindos e têm as suas particularidades, mas acabei me afeiçoando bastante pelo lado Sul. Ah! E fica a dica: as ondas do Rosa são beeeem fortes, mas os salva-vidas estão sempre ligados e apitando. Uma delícia de praia! Sem muita muvuca, apesar de ser Ano Novo.

LAGOA DO MEIO
Entre o Sul e o Norte, se encontra a Lagoa do Meio, com muitos peixinhos e uma água bem quentinha. Ela é ideal para crianças e para quem curte andar de caiaque e fazer stand up paddle. Paguei RS 30 reais por meia hora de SUP. A lagoa é grandinha e dá para curtir esses trinta minutos sossegado.
CENTRINHO DO ROSA
O Centro funciona ativamente durante todo o Verão, com mercadinhos 24h. Durante o Inverno, entretanto, muitos estabelecimentos fecham as portas. Essa é uma das vantagens de curtir esse paraíso na alta temporada. As lojinhas de roupas me surpreenderam! A minha preferida foi a Carambola Patchwork, que fica na subida para a trilha do Rosa Norte. Muitas das peças vendidas são produzidas pelas donas da loja. Um verdadeiro mimo! Comprei um vestido longo estampado e um tênis Perk. Gastei em torno de R$ 280. Se você for pensar, não é um valor tão exorbitante assim. Às vezes, nos shoppings, vemos umas blusinhas fininhas por R$400. PU-XA-DO.
Meus restaurantes favoritos no Rosa foram o Sila's (o quilo é bem baratinho! Uma ótima pedida para quem quer gastar pouco no almoço e jantar com mais classe), o Estação Tropical (comi uma salada deliciosa com um salmão suculento por uns R$ 40) e a tapiocara, que fica na rua principal do Centro.
Para quem quer badalar, a dica é o bar Beleza Pura e o Pico da Tribo. Durante a minha estadia, o Rosa recebeu o Chino, do Oriente, e uns raps que eu não conhecia. O Armando que é bom, nada! Fiquei só na vontade...

DÁ PARA VIVER NO ROSA SEM CARRO?
Até dá, mas fica mais difícil para se locomover, caso você queira conhecer Garopaba, a Praia do Ouvidor, a Praia Vermelha, a Guarda do Embaú... Todos esses destinos ficam nas redondezas e não dá para chegar à pé. Eu estava sem carro no Rosa (graças à Deus. Acho que já tem carro demais no mundo). Peguei um voo de São Paulo para Florianópolis e, de lá, peguei um ônibus da rodoviária de Floripa para Imbituba. Chegando na cidade, peguei um táxi para o Rosa, que deu cerca de R$60. Particularmente, não senti falta de um carro. Você pode fazer todos esses trajetos usando táxi ou vans, que alguns hotéis disponibilizam. Você nem acaba gastando muuuuto mais, não. Lá no Rosa, eles até aconselham a você fazer as coisas à pé. Viva a natureza! Deixe o trânsito para as metrópoles.
A VIRADA NO ROSA
Não vá esperando uma queima de fogos à la Copacabana. Fogos mesmo não tem. Nem para o pessoal que comemora o ano novo na Virada Mágica, a festa principal do Rosa nessa época do ano. Não fui, porque não curto balada, e a VM nada mais é do que uma grande balada eletrônica. Sem contar que o ingresso estava bem salgadinho, viu? O sexto lote para mulheres estava custando mais de R$ 1.000!!! A Virada em si não tem nada demais. Vale muito mais a pena, se você tiver a oportunidade, esperar para chegar no Rosa na primeira semana de janeiro, lá para o dia 2 ou 3. A praia já está mais calma, assim como o Centrinho, e os preços já estão mais baixos. Fica a dica! ;)

4 COISAS QUE TEM DE SOBRA NO ROSA
- Cachorros: sério, tem muitos cachorros perambulando pelas ruas do Rosa e até na praia!
- Artesanato: desde hippies que vendem a sua arte nas ruas, até lojinhas que vendem artigos decorativos para casa (queria muito comprar uma girafa feita de madeira, mas minha mãe não deixou. Hahaha), brincos, pulseiras, tornozeleiras (minhas favoritas! Comprei três), roupas artesanais...
- Sustentabilidade: a Praia do Rosa pertence à Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca. Por lá, a natureza é pulsante e, mesmo em épocas de alta temporada, você não vê lixo nas ruas e/ou nas praias. O mar é limpinho, com águas quase cristalinas. Colabore para preservar o paraíso!
- Gente boa: o atendimento nos restaurante é quase todo feito por jovens que saíram de cidades grandes para ganhar o conforto do Rosa. Adorei especialmente conhecer dois garçons. Um era de São Bernardo do Campo e outro, de Porto Alegre. Esse tinha acabado de chegar no Rosa no dia em que fui jantar no bistrô em que ele havia sido contratado. Ele largou tudo e veio. Simples assim. Ano novo, vida nova. Tais histórias me inspiram muito, porque, não sei se vocês sabem, não sou uma daquelas paulistanas que morrem de amores por São Paulo.
Ah! Posso fazer um parênteses final? O MORMAÇO DA PRAIA DO ROSA É UM SAFADO! No dia em que cheguei, já corri botar biquíni e ir para a praia, mesmo o dia estando bastante nublado. Jura, existiam nuvens de chuva no céu!!! Logo, tive a brilhante ideia de não passar protetor. No dia seguinte, precisei fazer compressas de soro fisiológico. Nunca pensei que fosse ser otária. Sui otária. Queimei a largada. Não repita isso em casa. Hahahaha
A Praia do Rosa é um paraíso que vale muuuuito a pena conhecer! Eu, por exemplo, já estou querendo volta. Se você tiver alguma dúvida sobre a viagem, deixe nos comentários. Vou ficar feliz em ajudar!

"Vou fugir pro Rosa Norte e te levar comigo...": Valeu, Armando, e valeu, mamis, pela companhia! <3

Nenhum comentário:

Postar um comentário