Logo



Polaroids


















Menu

Vida de Fã: a noite em que entrevistei Joe Jonas

Um ano. 12 meses. 365 dias. 8.760 horas. 31.536.000 segundos. Faz tudo isso de tempo que realizei um dos grandes sonhos que uma pessoa pode realizar. Ou só isso de tempo. Tudo é uma questão de ponto de vista. E o foco aqui é só um: no dia 20 de agosto de 2014 eu entrevistei o Joseph Adam Jonas.
Tá legal. Se você não cresceu ao som de Jonas Brothers, pode ser que esse nome não signifique nada. Mas, acredite, para mim significa. Significa horas, dias, semanas escutando a mesma música. Significa álbuns decorados, shows enfrentados, séries assistidas, livros lidos, revistas compradas, diários escritos, colagens feitas, pôsteres colados, cartas enviadas, desenhos rabiscados, loucuras, promoções, tweets, grades, arquibancadas, filas, amigos, sites, perrengues, alegrias, tristezas, saudades, sonhos. Significa ser fã e ter a chance de entrevistar o seu ídolo! Você entende o que estou querendo dizer.

Não sei se posso dizer que a missão foi cumprida com sucesso. Mas, ei, com cinco ou dez, o importante é passar. E eu passei. Mas, antes, vamos falar do dia anterior.

Pânico era a palavra que resumia bem o meu estado ~de choque~. A ficha não tinha caído, mas eu não tinha tempo para esperar. Em menos de 24 horas, eu estaria cara a cara com o Joe Jonas e precisaria entrevistá-lo para o meu trabalho. Eu nunca tinha entrevistado um artista internacional. Eu nunca tinha entrevistado alguém em inglês. Eu nunca tinha feito uma entrevista em vídeo. É, seria uma noite de primeiras vezes. Acho que pânico era mesmo a palavra.

Dez minutos. Era esse o tempo que eu tinha para fazer o meu trabalho de um modo profissional, mas, ao mesmo tempo, sem deixar meu lado fã totalmente de lado. Eu decorei todas as perguntas que havia elaborado e passei a noite mentalizando que tudo daria certo. No dia seguinte, o GRANDE dia, fui para o trabalho repassando as perguntas na minha cabeça. Eu não fazia ideia do que aguardar e na sala de espera do local onde a entrevista rolaria, por alguma razão, eu relaxei. Eu estava me sentindo totalmente preparada! Segura, confiante, tranquila. Era a minha hora de brilhar!

Ou não. Quando olhei para o rosto do Joe Jonas, ali, bem na minha frente, eu tive um apagão súbito. Daquele tipo que você tem no meio da prova ou quando precisa apresentar um trabalho para a classe. Eu não lembrava mais nenhuma pergunta e se ele  quisesse saber o meu nome, tinha certeza de que precisaria pedir a ajuda dos universitários.

Lembro que ficava repetindo para mim mesma que "ele é só uma pessoa, só uma pessoa". Mas é bizarro como perdemos o controle diante de uma situação dessas. Eu tinha total consciência de que ele era de carne e osso como você, eu, meus pais, meus amigos. Mas quando olhei para ele, um filme passou pela minha cabeça. Durou segundos, é verdade. Contudo, ele me fez lembrar de tudo o que já havia vivido. É engraçado como a história que temos com nossos ídolos acaba se entrelaçando com a nossa própria história. É isso que faz a gente chorar, espernear, gritar, ficar muda e ter essas reações dignas de fãs.
Se você me perguntar do que eu me lembro, vou dizer que de nada. Eu não sei como fiz aquilo. Só sei que, de repente, as palavras estavam saindo da minha boca. Algumas, certas. Outras, meio atrapalhadas. Não sei se passei com cinco, com sete ou com dez. Até hoje fico insegura de assistir ao vídeo da minha entrevista. Eu não lembro direito o que e como aconteceu, mas C-A-S-S-E-T-E! Quando vi, tinha entrevistado um dos meus ídolos, recebido um elogio pela minha camiseta de pug, ganhado um abraço, um parabéns pelo meu aniversário, tirado uma selfie e dito "eu te amo". 

Saí da entrevista quente. Acho que nunca senti tanto calor na vida! Eu não estava suando, só estava... quente. Só fui esfriar quando já estava em casa, deitada na minha cama. Eu olhei para a minha mesinha de cabeceira decorada com colagens dos Jonas (um resquício da minha adolescência bem vivida) e comecei a chorar. Foi aí que a ficha caiu. Eu nunca mais vou me esquecer desse momento. São sensações como essa que fazem a vida valer a pena.

@Juuulyh, não te conheço, mas já te considero pakAaAaAas! Hahaha


EI, NÃO ACABOU! Tenho muitas novidades para contar, mas vamos devagar e sempre. O post de hoje, na verdade, funciona como uma grande estreia: a seção Vida de Fã chegou para ficar! Agora, aqui no site, você vai ler relatos de pessoas que conheceram seus ídolos, foram a shows, enfrentaram perrengues épicos, viveram muitas emoções. Porque se tem uma coisa que eu amo nessa vida é ver fãs realizando sonhos! 

Tem alguma história de fã? Quer dividir com a gente? Mande um e-mail para isa.aotto@gmail.com! Já estou morrendo para contar a próxima!!! <3

4 comentários:

  1. Surtei com esse post!! Muito sortuda!! Vida de fã nao é facil, sei bem como é rsrsrs, saudades Jonas Brother!!!
    www.thesabrinadiares.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ai Isa, que lindo. Chorei vendo sua emoção por que me imaginei entrevistando o Robert <3

    Você conseguiu segurar bem as pontas hein?

    ResponderExcluir
  3. Isa eu acho sensacional esse seu lado fã... eu tive uma camisa com essa frase e vejo muito isso em você:

    "A vida é um paraíso para aqueles que amam muitas coisas apaixonadamente"

    Adorei sua entrevista, eu não tinha visto!!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa que sonho! Acabei de conhecer o blog e já estou amando, você é uma linda fofa e o blog é maravilhoso! Parabéns!
    Abração,
    http://toxicmay.com/

    ResponderExcluir