Logo



Polaroids


















Menu

Uma aula de teatro com a peça Mistero Buffo, do grupo La Mínima

Seja em cima do palco ou na plateia. No teatro, eu, definitivamente, me sinto de bem com a vida. É por isso que você vai ler muito sobre o tema por aqui. Ainda bem!

O meu último final de semana foi incrível! No sábado, 25, fui assistir a Cássia Eller - O Musical pela segunda vez. No domingo, 26, fui conferir o espetáculo Mistero Buffo, em cartaz no SESC Ipiranga, em São Paulo. Como já contei o que achei do musical da "Casseta", resolvi dividir com vocês minhas impressões sobre o espetáculo adaptado pelo grupo La Mínima.

Uma verdadeira aula de teatro! É assim que eu descreveria Mistero Buffo, se alguém me perguntasse porque, basicamente, deveria conferir a peça. Ou melhor, o espetáculo! Em cena, três palhaços (os atores Domingos Montagner, Fernando Sampaio e Fernando Paz), um tapete, dois mancebos e uma pequena plataforma repleta de instrumentos musicais, que são conduzidos brilhantemente por Fernando Paz, "O" cara dos efeitos sonoros em cima do palco.

A primeira versão da peça original do italiano Dario Fo foi encenada pela primeira vez em 1969, e o La Mínima adaptou o texto para os dias de hoje sem mexer em sua essência. A narrativa tem caráter político e "brinca" com episódios bíblicos conhecidos, como A Ressurreição de Lázaro e a Crucificação de Cristo.
É... Bem... Calma. Vamos lá! Se você for bastante religiosa e/ou fizer parte de uma família católica tradicional, pode se incomodar com alguns diálogos. Em muitos momentos, pensei em minha avó paterna e em como ela reagiria a algumas trechos da peça. Mas é uma provocação inteligente, saudável, que dita o tom de todo o espetáculo.

A aula de teatro fica por conta dos insights do ator Domingos Montagner, que, no decorrer da apresentação, vai situando o público no tempo e no espaço. No caso, a Idade Média, que, teatralmente falando, não tinha nada de trevosa, escura, dark. Nessa época retratada, as peças se assemelhavam a corais e eram mais conhecidas como jograis. Os artistas interpretavam passagens da Bíblia e do Evangelho, com o intuito não só de entreter, mas de criticar o comportamento da sociedade. Nada muito diferente da proposta de algumas companhias atuais de teatro. Você aprende sobre o passado, para entender o presente. É uma viagem! Literalmente.

Ah! E a boa notícia é que a viagem continua no final do ano, com uma temporada estendida em São Paulo. O ator Domingos Montagner (para mim, um dos nomes mais talentosos da atualidade!) não revelou maiores detalhes no final da apresentação, mas prometo contar para vocês assim que descobrir. Mas, para não ter erro, é melhor curtir a página do La Mínima Circo e Teatro no Facebook! ;)

Um comentário:

  1. Quando tinha 8 anos, fui com a minha mãe no circo zanni, o tal circo do grupo La Minima. O que posso dizer? fomos em 2 apresentações seguidas, e foi maravilhoso. Mamis e eu amamos eles desde então, e ficamos morrendo de vontade de ir assistir à peça.

    ResponderExcluir